Ensino

O mundo sempre nos presenteou com sua transformação. Atualmente não é diferente. A questão prende-se pelo fato desta transformação ocorrer cada vez mais acelerada.

“Se pudéssemos transportar um cirurgião do século 19 para um hospital de hoje, ele não teria ideia do que fazer. O mesmo vale para um operador da bolsa ou até para um piloto de avião do século passado. Não saberiam que botão apertar. Mas se o indivíduo transportado fosse um professor, encontraria na sala de aula deste século a mesma lousa, os mesmos alunos enfileirados. Saberia exatamente o que fazer. A escola parece impermeável às décadas de revolução científica e tecnológica que provocaram grandes mudanças em nosso dia a dia. Ficou parada no tempo, preparando os alunos para um mundo que não existe mais.”

Viviane Senna
Psicóloga

Tradição

Partilho da mesma opinião: os sistemas de ensino têm de se adaptar às novas exigências da sociedade moderna. Mas o ensino ainda não despertou para essa nova realidade. No mundo digital isso é cada vez claro. As diferenças já não são apenas geracionais. Uma pessoa de 15 anos, não pertence à mesma geração tecnológica de uma de 25.
O ensino tradicional é baseado da memória. Hoje em dia temos todo o conhecimento humano na ponta dos nossos dedos, sintetizado, compilado, atomizado. Para lhe aceder é apenas necessário utilizar um simples smartphone. Ou seja, não precisamos mais de decorar acontecimentos e fatos: temos o poder de os consultar em segundos em qualquer lugar. A memória não é mais o principal fator de inteligência. Inteligência transformou-se no que fazemos com essa memória. É por isso necessário reinventar o sistema de ensino.

Um dos grandes obstáculos à mudança é a tradição!

Fatores sociais

Na minha opinião existem também diversos fatores sociais. O tempo corre numa medida diferente do que há algumas décadas atrás. Tudo é mais instantâneo. Todos temos cada vez mais tarefas para fazer e parece que os dias ficaram curtos para as conseguir executar.

A estrutura familiar foi-se alterando e com isso e os pais têm cada vez menos tempo para seus filhos. Existem algumas dinâmicas interessantes nas famílias e na sociedade em geral, que estão estudadas e são do conhecimento geral. As crianças são demasiado estimuladas desde tenra idade e isso tem levado a uma alteração do seu comportamento. Isto resume-se um pouco com o conceito de “sociedade líquida” de Zygmunt Bauman. A ubiquidade tecnológica vem permitir viver no “agora”. Gerando uma cultura narcisista muito por culpa das redes sociais. Redes essas que têm tanto poder de aproximar e fomentar a comunicação. Acontece que não usadas corretamente, são elas que nos trazem algo antagónico ao espectável.

Sociólogo e filósofo polonês, professor emérito de sociologia das universidades de Leeds e Varsóvia.

Zygmunt Bauman
Sociólogo

Aos ombros dos grandes

Acompanho os vídeos de Leandro Carnal e outros pensadores brasileiros. De uma forma simples e pragmática explicam muito do que se passa connosco e com o mundo em geral.

“Cabe ao professor, especialmente ao educador, tirar os obstáculos entre a pessoa é o conhecimento, e que ela sinta, no professor e educador, como o conhecimento transformou aquela pessoa.”

Leandro Carnal
Historiador

Em resumo podemos dizer todo o sistema de ensino têm de evoluir. Novos conteúdos e novas formas de os ensinar. O professor será uma peça chave, claro. As skills tecnológicas têm de fazer parte do DNA de qualquer professor.